A Câmara de Comércio Hispano Portuguesa organizou um Almoço-Colóquio com a Secretária de Estado para o Comércio da Espanha, Sra. Xiana Méndez Bértolo, em 11 de fevereiro de 2019.

O presidente da Câmara Hispano Portuguesa (CHP), António Calçada de Sá, apresentou o convidado, e reiterou a vocação da Câmara de Comércio Hispano-Portuguesa em celebrar estes almoços como laços comerciais e empresariais entre os dois países.

Como de costume, o presidente fez um breve passeio biográfico do hóspede. Nascida em Pontevedra em 1977, é graduada em Direito e Administração de Empresas pela Universidade Pontifícia de Comillas. Em 2004 ele se juntou ao Corpo Superior de Técnicos Comerciais e Economistas de Estado. Ele começou sua carreira profissional em 2004 no Serviço de Defesa da Concorrência do Ministério da Economia. Entre 2013 e 2015, ocupou diferentes cargos na Direção Geral de Política Econômica do Ministério, especializando-se nos setores de transporte e infraestrutura e crédito oficial. De agosto de 2015 até sua nomeação atual, foi Conselheira Econômica e Comercial da Embaixada da Espanha em Quito (Equador) e em 22 de junho de 2018, o Conselho de Ministros aprovou sua nomeação como Secretária de Estado para o Comércio da Espanha. jogando atualmente.

Internacionalização espanhola

Enquanto isso, a secretária de Estado do Comércio, Xiana Margarida, começou a referir-se ao processo bem-sucedido de internacionalização da Espanha nos últimos 30 anos, no qual o crescente número de empresas espanholas, com tecnologias proprietárias, marcas reconhecidas e redes de distribuição internacional, “consolidaram-se como o motor do nosso tecido empresarial e também se tornaram líderes globais nos seus respectivos setores”.

“Hoje – disse a Secretária de Estado – a Espanha é o décimo terceiro maior investidor do mundo e é um investidor neto em relação a alguns dos países mais importantes do mundo. Por exemplo, em 2017, as empresas espanholas investiram mais nos Estados Unidos ou na França do que as empresas americanas ou francesas na Espanha. Esse detalhe é muito significativo por causa da mudança de signo que nosso país experimentou, tornando-se uma das economias que mais Investimento Estrangeiro Direto recebe e, também, que mais Inversão Estrangeiro Direta exporta.

Relações Espanha-Portugal

“No relativo às nossas relações com Portugal, podem ser descritas como excelentes, tanto económica como politicamente ou culturalmente, o que é mostrado tanto nos contactos bilaterais frequentes como nos nossos valores de comércio e investimento. As Cimeiras são um reflexo das excelentes relações bilaterais. Desde 2012, as cimeiras bilaterais foram realizadas alternadamente em um país e outro. A última Cimeira foi realizada em novembro passado, com grande sucesso, em Valladolid. ”

Na ausência dos números completos para 2018, a Secretária de Estado referiu-se a 2017 como um ano completo, em que os fluxos comerciais de bens e serviços foram de 35.000 milhões de euros, um valor espetacular, dada a dimensão dos nossos mercados. Mas, nos primeiros 11 meses de 2018, os números do comércio bilateral de mercadorias já ultrapassaram 30 bilhões de euros, números realmente impressionantes. As estatísticas do comércio destes 11 meses mostram um aumento de 7,1% nas exportações espanholas para Portugal (19,490 milhões de euros) em relação ao mesmo período de 2017. No que respeita às compras para Portugal, estas atingiram 10.633 milhões de euros, mais 4,8% do que no mesmo período do ano anterior. O número de exportadores espanhóis regulares manteve-se em torno de 11.000, superando o resto dos mercados.

“O nosso país importa, em média, durante muito tempo, um quarto das exportações portuguesas. É por isso que Portugal é o nosso 5º fornecedor europeu (e 7º em todo o mundo). Por outro lado, Portugal é um mercado de referência para as exportações da Espanha. Nos últimos 15 anos, a Espanha tem sido o principal fornecedor de Portugal, com uma quota média de 30% das importações portuguesas, uma grande distância da Alemanha, França ou Reino Unido “, afirmou.

Como cliente, Portugal é o quarto maior mercado, tendo ultrapassado o Reino Unido, como o fez na década anterior, de 2000 a 2010. As exportações superam outros grandes mercados para a Espanha, como a América Latina. Os importadores portugueses conhecem muito bem fornecedores e feiras espanholas e estimam os nossos produtos pela nossa qualidade e preço, bem como no sentido inverso. No que diz respeito ao investimento da Espanha em Portugal, “o nosso estoque de investimentos em Portugal, com os números mais recentes dos quais temos 2016, excede o valor de 17.000 milhões de euros. Em termos de fluxos de investimento, em 2017 foram impressionantes, quase 1.400 milhões e em 2018 até o mês de setembro eles se aproximaram de 500 milhões de euros. Ao mesmo tempo, Portugal tem um estoque de investimentos na Espanha em 2016 de um valor próximo a 3.000 milhões de euros e os fluxos nos três primeiros trimestres de 2018 ultrapassaram 300 milhões de euros ”, acrescentou.

 

Empresas e Investimentos

As empresas dos dois países aproximam-se do mercado ibérico como um grupo que não é segmentado há muitos anos e a crise não mudou este modelo estrutural onde as empresas ibéricas realizam um maior número de operações todos os anos. A dependência mútua e a interação é um fenômeno que é o resultado da incorporação de ambos os países ao mercado europeu há trinta e dois anos, com as quatro liberdades fundamentais, removendo os obstáculos aos movimentos de pessoas, bens, serviços e capitais, o que significa uma intensificação progressiva das relações comerciais, de investimento e de negócios, bem como políticas, entre os dois países.

A implantação de empresas espanholas em Portugal é de primeira ordem e a das empresas portuguesas em Espanha é muito significativa, proporcionalmente aos investimentos portugueses e ao PIB do país. As 2.600 joint ventures que trabalham nos dois mercados (2.200 espanhóis e 400 portugueses) também impulsionam os fluxos de bens, serviços, capital e pessoas entre os dois países. Em 2017, houve investimentos significativos em espanhol nos setores financeiro e produtivo. Os grupos bancários com sede em Espanha têm uma parte muito relevante dos ativos do setor financeiro em Portugal. Mesmo nos anos mais difíceis da Grande Recessão, houve uma manutenção dos investimentos espanhóis em Portugal. Os investimentos portugueses em Espanha, da mesma forma, foram mantidos na mesma direção.

“Eu gostaria de ir ainda mais longe do que o quanto nos une. Na política comercial comum, Portugal e Espanha coincidem em um grande número de interesses. Ambos os países estão cientes da importância da internacionalização de nossas economias em um contexto multilateral baseado em regras com a Organização Mundial no seu centro. Da mesma forma, ambos estamos comprometidos com uma ambiciosa agenda comercial da União Européia, na qual eu gostaria de destacar o momento que a Espanha e Portugal deram às negociações da União Européia com o MERCOSUL, para a assinatura de um ambicioso acordo de livre comércio ”.