El Economista, 5/12/2017 – O ministro das Finanças português, Mário Centeno, foi eleito como novo presidente do Eurogrupo. Ele ganhou na terceira rodada de votação e assumirá o cargo por um período de dois anos e meio. Centeno substitui o holandês Jeroen Dijsselbloem, cujo termo expira em 13 de janeiro. Mario Centeno ocupará a terceira presidência do fórum informal dos Ministros da Economia e Finanças dos 19 países da UE. O seu mandato coincidirá, após anos de crise, com a construção dos novos pilares da União Económica e Monetária, uma área essencial que a Comissão Europeia promoverá com um pacote de reformas para fortalecer a zona do euro.

O alemão Wolfgang Schäuble o definiu como o “Ronaldo do Eurogrupo”. O ponto forte do ministro português é ter colocado ordem na fazenda, depois de 2011 ele teve que pedir um resgate europeu doloroso para evitar a falência. É a sua maior garantia o bom progresso da economia portuguesa, bem como ter conseguido tirar o país do procedimento de déficit excessivo, sem esquecer que pertence à família social-democrata. Este é um elemento de grande peso, uma vez que o resto dos principais cargos na UE – Jean-Claude Juncker à frente da Comissão, Antonio Tajani no Parlamento Europeu e Donald Tusk no Conselho Europeu – são membros do Partido Popular Europeu.

Descrito na imprensa de seu país como economista “liberal”, ele se especializa no mercado de trabalho. Suas áreas de pesquisa são economia do trabalho, econometria, microeconomia e teoria dos contratos.

Fonte da notícia:: El Economista